Santificação no trabalho ordinário

“Ao recordar aos cristãos as palavras maravilhosas do Gênesis – que Deus criou o homem para que trabalhasse -, fixamo-nos no exemplo de Cristo, que passou a quase totalidade de sua vida terrena trabalhando numa aldeia como artesão. Amamos esse trabalho humano que Ele abraçou como condição de vida, cultivou e santificou. Vemos no trabalho – na nobre fadifa criadora dos homens – não só um dos mais altos valores humanos, meio imprescindídivel para o progresso da sociedade e para o ordenamento cada vez mais justo das relações entre os homens, mas também um sinal de amor de Deus para com as suas criaturas e do amor dos homens entre si e para com Deus: um meio de perfeição, um caminho de santificação” ( Questões atuais do Cristianismo, nº 10, São Josemaria Escrivá). “Persuadidos de que o homem foi criado ut operaretur (Gen II, 15), para trabalhar, sabemos bem que o trabalho profissional diário é o eixo da nossa santidade e o meio humano e sobrenatural apto para levar Cristo conosco e fazer o bem a todos. Não entenderia bem esta vocação quem pensasse que a nossa vida sobrenatural se edifica de costas para o trabalho, porque o trabalho é para nós um meio específico de santidade. A nossa vida interior – contemplativa no meio da rua- toma como ponto de partida e como estímulo a própria vida externa de trabalho de cada um. Não fazemos nenhuma separação entre a nossa vida interior e o trabalho apostólico; é tudo uma mesma coisa. A atividade externa não há de causar nenhuma interrupção na oração, como o bater do coração não interrompe a atençaõ de nossas atividades, sejam quais forem”. (Questões atuais do Crisitianismo  nºs 20, 114,116).

Um trabalho que se estende a profissão e as atividades do lar, na colaboração em todas as atividades, para que possamos a partir de nossos lares sermos melhores profissionais lá fora.

Boa semana

Valdir

Anúncios

Sobre vreginato

Casado e tem três filhos. Médico e Terapêuta de Família. Professor de Bioética, Históra da Medicina e Espiritualidade e Mediicna na Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), membro do Centro de História e Filosofia das Ciências da Saúde da Unifesp, Coordenador da Pastoral da Família da Paróquia Nossa Senhora do Brasil
Esse post foi publicado em Familia&Trabalho. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s