Família antídoto para crise

Olá

 Já faz algum tempo que abordamos aqui o tema da família e o papel na crise econômica e também o papel da família no quesito “trabalho e temperança”. Porém hoje trago um artigo que traz dados estatísticos sobre este tema. Um congresso feito na Itália, com integrantes das igrejas Católica e Judaica com a sociedade italiana. Foi durante o congresso “A família como motor do crescimento econômico. Valores e Perspectivas”, organizado pela AISES, Academia Internacional para o Desenvolvimento Econômico e Social.

 Separei pra vocês alguns pontos muito interessantes do artigo:

  • “A família não deve se tornar um elemento, mas O elemento do desenvolvimento econômico e sobre isso estamos de acordo seja a maioria, seja a oposição”, disse o vice-presidente da Câmara, recordando o compromisso da política com a aprovação da “última manobra financeira” que pela primeira vez, leva à aumentar as isenções em relação ao núcleo familiar e ao número dos filhos”.
  • “Uma família unida leva a uma sociedade mais coesa e solidária e a economia e a política devem proteger esta célula fundamental.”
  • “Diante da crise que desagrega a família – se perguntou o presidente da Aises – qual o papel que confiamos à relação homem / mulher, pais / filhos”?, acrescentando que “os filhos, que são a verdadeira esperança para o futuro, agora são vistos apenas como uma ameaça e uma limitação do presente. Isso leva o homem a promover o aborto, a esterilização, a fecundação in vitro e todas aquelas outras técnicas que o fazem experimento de si mesmo e empobrecem a vida. Não deve-se mudar a técnica, mas deve-se renovar o coração do homem – concluiu De Luca -. A abertura à vida é a principal via para o desenvolvimento de uma sociedade mais humana e coesa”.
  • “Confiamos à outros os serviços que antes eram úteis para as necessidades familiares e coletivas”, limitando-nos a uma “fria coordenação que leva a um desenvolvimento econômico não sustentável. “

O presidente do IOR, Ettore Gotti Tedeschi, disse, em alta voz que foi justo o colapso da taxa de natalidade, a partir dos anos 70 até os dias atuais, que nos nos levou para a atual situação de crise. Apresentando em seguida o breve resumo dos cinco ‘NÃO’:

  1. NÃO crescimento da economia: “Nos últimos 30 anos não nascem crianças, e o número de moradores que havia na Itália em 1980 manteve-se inalterado, portanto, como fazer para crescer o PIB que só cresce quando se consome mais?”.
  2. NÃO poupança: “Um dos fenômenos dos nossos dias é que os bancos não têm dinheiro – observou – a razão é que não se economiza mais há 25 anos .. Em 1975-80 a taxa de acumulação da poupança das famílias italianas era de 27% italianos, hoje é 4,5%! De cem Liras que se ganhava, 27 eram colocadas no banco, entravam no ciclo dos investimentos e das intermediações. Hoje tudo o que se ganha é gasto, consumido, não há recursos para intermediação financeira. “
  3. NÃO casamento: “Por que hoje não há possibilidades de se casar antes dos 32 anos? Porque um jovem casal não pode dar-se ao luxo de comprar uma casa, devido ao fato de que, embora profissionais, ganhem a metade do que se ganhava a 30 anos atrás, consequência do aumento dos impostos de 25% para 50%.”
  4. NÃO idosos: “As crianças não nascem e a população envelhece e se aposenta. Isso significa, economicamente, o aumento de custos fixos: saúde e idade avançada. A sociedade não tem mais dinheiro para manter os idosos e se cogita, portanto, na chamada ‘morte súbita’ “.
  5. NÃO trabalho: “Para poder consumir, terceirizamos na Ásia as produções mais importantes. O 50% do que antes era produzido no mundo ocidental, hoje é importado porque custa menos. Deslocando a produção, também se deslocou os postos de trabalho. Não há portanto mais trabalho e o 70-80% são só serviços”.

Outros pontos interessantes:

  • “É um paradoxo – disse o rabino -, mas desde o Gênesis nos é apresentado situações familiares negativas: Caim e Abel; José vendido por seus irmãos; Esaú e Jacó, e assim por diante. Isso porém mostra que a família é o lugar da vida, onde se erra, onde há erros cometidos pelos pais, mas sem ela não se pode viver.”
  • “A lei econômica tomou a precedência sobre toda a vida da sociedade se tornou ‘alma’, deixando sua identidade de “corpo”, de algo que é instrumental.” “Se queremos recolocar a economia de volta no seu verdadeiro papel – disse Mons. Leuzzi, na conclusão da conferência -. Se queremos superar a idéia de que a sociedade só cresce se produz mais, devemos recuperar o amor conjugal, primeira comunidade onde o homem aprende não só a produzir, mas a construir”.
 Se você quiser ler todo o artigo, clique aqui.
 Boa semana a todos !
Anúncios

Sobre Marco

Marco é casado com Mariana e tem os pequenos Carol e Rafael. Ele é formado em Tecnologia da Informação, pós graduado em administração e trabalha há 14 anos no mercado corporativo de TI. Atua na Igreja Católica desde a adolescência, participando de grupo de jovens, ministérios de música e equipes de evangelização. Está na pastoral da familia da paróquia Nossa Senhora do Brasil desde 2007, atuando junto às familias e aos casais que buscam o matrimônio.
Esse post foi publicado em Palavra da Igreja. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para Família antídoto para crise

  1. vreginato disse:

    Certamente o que temos assistido é uma spciedade que assumiu um modelo “anti-família”. Não é por acaso. A família é o modelo divino para o desenvolvimento do ser humano como pessoa, e desde o início dos tempos convivemos com os que não querem que isto aconteça.
    Para pensar!

    Valdir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s