Os jovens e a verdadeira liberdade

A questão da liberdade na vida de um adolescente ou de um jovem é algo delicado e que merece muita atenção e cuidado por parte dos pais. Vemos muitos jovens perdidos em comportamentos que não condizem com as boas práticas da moral. São influenciados pelo meio em que vivem, principalmente pelos comportamentos de amigos e vão se enveredando por caminhos tortuosos que muitas vezes não lhes permitem sequer mudar de direção. Percebemos isso em nossos filhos, quando vão chegando à fase da adolescência e adquirindo algumas maneiras de julgar as coisas, alguns padrões de decisão que são contrários aos critérios da fé que lhes transmitimos desde a infância. Vão ficando arredios às práticas e compromissos religiosos, achando que isso tudo é um tanto quanto chato ou mesmo ultrapassado.

Precisamos pedir muita sabedoria a Deus para podermos transmitir os valores da verdade do evangelho para nossos filhos, de um modo que sejam convencidos e formados por eles. Sabemos que este processo se constitui de uma verdadeira batalha, mas não podemos desanimar e nem deixar de lutar pela vitória. É importante nessa luta proporcionar ao jovem a convivência com outros jovens católicos onde, passo a passo, ele possa ir crescendo com naturalidade na consciência dos valores cristãos e da moral. Que através destes grupos de jovens, eles sejam incentivados ao conhecimento mais profundo das Sagradas Escrituras, cujas sementes até já tenham sido lançadas por nós pais, mas que precisam ser assumidas por eles de uma maneira nova.

Após discutir com os fariseus que não aceitavam o que estava revelando, Jesus advertia aos que se convertiam: “Se permanecerdes na minha palavra, sereis meus verdadeiros discípulos, conhecereis a verdade e a verdade vos livrará” (Jo 8, 31-32).

Possam nossos filhos ser formados na verdade do evangelho e com ela terem condições de agir com liberdade em suas escolhas. Liberdade sem conhecimento da verdade, pode-se tornar libertinagem, com graves conseqüências para o jovem.

É muito bonito ver jovens conscientes optando livremente por uma vida de castidade, de honestidade, de compromissos sérios em suas responsabilidades. Que nossos filhos possam ser membros dessa geração e também canais de bênção para outros onde vivem.

 Abraços e até a próxima semana!

 Heraldo

Publicado em 24/03/2010

Anúncios
Esse post foi publicado em Pais+Filhos. Bookmark o link permanente.

6 respostas para Os jovens e a verdadeira liberdade

  1. Luiz Coelho disse:

    Bom dia..

    Texto de ótima leitura, como sempre ! Apenas um comentário, que acredito não condiz muito com o conceito do artigo…. “…a convivência com outros jovens católicos onde, passo a passo, ele possa ir crescendo com naturalidade na consciência dos valores cristãos e da moral..”

    Será que somente com a convivência de outros católicos se consegue crescer naturalmente na consciência dos valores cristãos e da moral ? Não seria, talvez um pouco de prepotência e arrogância ?; bem antagônicos aos ensinamentos cristãos da caridade ?

    Conheço dezenas de pessoas, dos mais diversos credos, que são dignas de admiração pelos seus valores cristãos e morais; do mesmo modo que conheço católicos ( ou que se dizem ser ) dignos de nossa compaixão, pelas atitudes que possuem.

    A nobreza cristã, não está no titulo, mas nos atos da pessoa ! Será que, por melhor que sejam as intenções, a segregação de credos representa a verdadeira expressão das palavras de Cristo ? Qual segregação na história da humanidade foi benéfica ? Será que o trabalho do recente beatificado Papa João Paulo II; em tentar agrupar a diversidade dos credos ao invés de separá-los( de uma forma “ariana” ); foi em vão ?

    Não será colocando nossos filhos em uma “redoma católica”, sem a possibilidade de novos conhecimentos que faremos o bem a eles ( mesmo que pensemos ser a melhor forma de proteção ); mas com exemplos paternos e demonstrando que as boas atitudes podem vir dos mais diversos lugares e pessoas; até, muitas vezes, de onde menos esperamos; ou acreditávamos ser possível….

    Abraço a todos

  2. lutfe disse:

    Heraldo, valeu pela leitura. abraços, Lutfe

  3. Cristiane disse:

    Concordo com o Heraldo no que diz respeito à convivência com outros jovens católicos. Os grupos de jovens dentro da Igreja podem proporcionar a formação moral do jovem através do exemplo e testemunho de outros jovens de sua idade, ainda mais nesta fase de adolescência quando eles começam a questionar tudo o que os próprios pais falam. Vindo de alguém que não é uns dos pais, mas alguém jovem como ele, o ensinamento da fé é recebido com mais abertura.
    Não acho que, com isso, estejamos excluindo os jovens não católicos. O que o Heraldo disse está relacionado à formação católica da pessoa, que pode ser adquirida em casa e na Igreja. Daí a importância do relacionamento com outros jovens católicos.
    O adolescente que assim viver poderá, inclusive, ao se relacionar também com outros não católicos, dar seu próprio testemunho de liberdade com consciência, na escolha do bem e promoção dos valores cristãos. Isto também está contemplado no texto do Heraldo: “canais de bênção para outros onde vivem”.
    Cristiane

  4. Luiz Coelho disse:

    Muito obrigado por enriquecer de exemplos o post do Heraldo ! Seu comentário corrobora, mais uma vez para demonstrar como muitos membros de um determinado “grupo” sentem-se superiores aos demais… “ Porquanto qualquer que a si mesmo se exaltar será humilhado, e aquele que a si mesmo se humilhar será exaltado.”
    (Lucas 14:11)

    “…Os grupos de jovens dentro da Igreja podem proporcionar a formação moral do jovem através do exemplo e testemunho de outros jovens de sua idade…”….Só os membros da mesma religião é que são passíveis de proporcionar exemplos e testemunhos salutares a formação moral do jovem ? ( Conheces a Parábola do bom samaritano – Evangelho de Lucas (10:25-37) ?..Ele precisou ser da mesma crença de Jesus para dar exemplos e testemunhos condizentes com os ensinamentos cristãos ? )

    “…Não acho que, com isso, estejamos excluindo os jovens não católicos..”…Com todo respeito do mundo, isso sim é uma descriminação passiva, pois deixa expresso que quaisquer outras pessoas, que não sejam do mesmo “grupo”; não podem passar lições de caridade, moralidade, humanidade, ética, etc !!!

    “O adolescente que assim viver poderá (ser) …. “canais de bênção para outros onde vivem…”….Novamente deixa clara a idéia de que apenas o católico pode dar o seu testemunho de liberdade com consciência, na escolha do bem e promoção dos valores cristãos; nunca o contrario….ou será que pessoas de outras crenças também podem ser “canais de bênção para os católicos com quem vivem…” ?

    PERGUNTA : Falou-se aqui de “formação católica”…Qual a definição ?……O que ela possui que a torna “melhor/diferente” da formação cristã ????

    Abraço e bom final de semana a todos !!

  5. Cristiane disse:

    Luiz Coelho,
    É impressionante como você consegue polemizar onde não existe polêmica alguma.
    Cristiane

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s