Como vemos o Halloween?

Sempre que se aproxima esta época do ano, enfrentamos algumas dificuldades com relação a questionamentos sobre o dia do Halloween (31 de outubro). São muitas as polêmicas que surgem nas escolas, em função da maneira como se enxerga esta festa. Muitos há que insistem tratar-se apenas de uma questão cultural; outros, porém, vêem nela um incentivo a práticas de bruxaria ou outras de ordem esotérica. Para esclarecer um pouco sobre a origem desta comemoração, transcrevo abaixo um trecho de um livro do Prof. Felipe Aquino:

O Halloween é uma festa muito comum nos EUA e Europa e é celebrada no dia 31 de outubro. A comemoração veio dos antigos celtas (povo que habitava a Grã-Bretanha há mais de 2000 anos). Eles realizavam a colheita nessa época do ano, e segundo um antigo ritual desse povo, os espíritos das pessoas mortas voltariam à terra durante a noite, pois queriam, entre outras coisas, se alimentar e assustar às pessoas.

Com isso, os celtas costumavam vestir máscaras assustadoras para afastar esses espíritos. Esse episódio era conhecido como “Samhaim”. Com o passar do tempo, os cristãos chegaram à Grã-Bretanha, e converteram esse povo [os celtas] ao Catolicismo. Com isso, a Igreja Católica transformou este ritual pagão em uma festa religiosa, que passou a ser celebrada nesta mesma época e, ao invés de honrar espíritos e forças ocultas, o povo recém- catequizado deveria honrar os santos, daí veio o “All Hallows Day”: o Dia de Todos os Santos.

Mas, a tradição entre esses povos continuou, e além de comemorarem O Dia de Todos os Santos, eles celebravam também a noite da véspera desse dia, com máscaras assustadoras e comida. Esta noite era conhecida como “All Hallows Evening”, a qual, ao ser abreviada com o passar do tempo, passou a chamar-se Halloween.

Vemos, dessa forma, que a tradição de se comemorar as bruxas ou outros espíritos não é cristã e deve ser evitada, ainda que tenha apenas uma conotação folclórica. Devemos, sim, celebrar o Dia de Todos os Santos.” (Livro “Falsas doutrinas, seitas e religiões”, Prof. Felipe Aquino, Editora Cléofas, 12ª edição, 2010)

Devemos, portanto, orientar nossos filhos sobre a questão, explicando-lhes que não é conveniente ao cristão participar das comemorações deste dia, ainda que muitos insistam ser apenas um evento cultural. Muitas crianças chegam a desenvolver comportamentos de medo diante das práticas que são propostas para viver neste dia. Sejamos, pois, firmes na nossa posição de evitar tais práticas, preparando nossos filhos para poderem escolher maduramente o que querem seguir.

Abraços e até a próxima semana.

Heraldo

Anúncios
Esse post foi publicado em Pais+Filhos. Bookmark o link permanente.

5 respostas para Como vemos o Halloween?

  1. vreginato disse:

    Heraldo

    Mais do que esclarecer sobre como o “dia de todos os santos” tornou-se o “dia das bruxas”, isto vem nos alertar de outros conceitos que vão tendo seus significados adulterados pelo tempo.

    Estamos nos aproximando do Natal , (“Christmas”, nascimento de Cristo), e hoje o dia 25 já está se tornando o dia “universal do presente” , onde você compra a sua felicidade hoje, para começar a pagar daqui a um mes!

    É importante esclarecer a nossos filhos a verdadeira procedência dos acontecimentos, para que els não tenham deturpados o sentido dos fatos. Muitos já pensam que a Páscoa é a semana do chocolate! Assim outros temas vão se transformando. A vida humana no seu início virou um “montinho de células” e não mais um filho. Fidelidade é nome de torcida de time de futebol, e não mais compromisso conjugal. Casamento é para “enquanto dure o amor”, e por aí vai…

    É sempre bom conhecer a verdade e ter cautela com que deturpa o verdadeiro conceito.

    Valdir

  2. Marco disse:

    Oi Heraldo

    Ótimo post. Me lembro dos movimentos que jovens que eu participava no interior de SP, onde organizava-mos a “Festa dos Anjos e Santos” no final de semana mais próximo da data. Era um dia de festa onde os participantes tinham que ir vestidos de anjos ou homenageando algum santo.

  3. Faissal Yunes Junior disse:

    Heraldo
    parabéns pelo post. muito esclarecedor. sinceramente, imaginava que origem desta tradição fosse muito pior, em todos os sentidos. ainda que não seja uma festa cristã, ela decorreu da catolização dos Celtas, que mantiveram a festa, mas já conscientes de que era apenas uma preparacao para o dia mais importante, dia de todos os Santos. Muito interessante tb a origem do nome. acho que não devemos estimular os nossos filhos e se houver algum tipo de comemoracao na escola, explicar a eles o signficado do evento, como preparacao ao dia de todos os Santos.
    Abraços

  4. Alessandra de Angelis disse:

    Post extremamente esclarecedor. Parabéns!!!

    Alessandra de Angelis

  5. Antonio Paulo disse:

    Gostei muito do comentário do Heraldo.
    Não levei meus três filhos à escolhinha. Não marquei nenhum paciente para o período da tarde, é a hora em que normalmente eu os levo. Ficamos nós quatro juntos, brincamos, comemos, conversamos, rezamos… foi uma tarde muito linda.
    Pude explicar que essas coisas de bruxa não tem nada de bom, que a vida tem sen tido perto de DEUS.
    A Flávia acabou de chegar em casa e manda um Oi a todos.
    Antonio Paulo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s