São Camilo, o Bom Samaritano

Como médico, não gostaria de terminar este mês sem fazer menção ao Santo do dia 14 passado, que é exemplo de Bom Samaritano.  Acometido por uma ferida crônica na perna, em ferimento de guerra,  e percebendo-se limitado ao hospital, por príodo prolongado, passa a dedicar a sua vida a cuidar dos enfermos mais necessitados, ordenando-se sacerdote e fundando uma  ordem de religiosos. Falamos de São Camilo de Lellis, nascido em 1550, e que fez de seu carisma o cuidado ao enfermo, sendo até hoje sinônimo de acolhimento aos doentes.

A Igreja Católica sempre se dedicou de modo particular aos enfermos, considerando estes  os mais queridos de Cristo. Assim os primeiros hospitais nasceram em alojamentos de conventos e seminários, tornando-se hospices aos peregrinos.  A profissão da enfermagem, até o início do século XX, era praticamente exercida por irmãs de caridade, ou religiosas de outras denominações cristãs. Até o presente, são muitos os hospitais que levam nomes de santos e que são administrados por religiosos.

Atualmente cresce o movimento da Pastoral da Saúde pela CNBB, em todo o Brasil. Contudo ainda o número de voluntários é bastante reduzido para as necessidades que se apresentam. Particularmente tenho tido um contato próximo com a Pastoral da Saúde do Hospital São Paulo, onde um grupo de senhoras e senhores que se esforçam em levar o conforto aos pacientes, mediante a palavra e a ajuda de consolo. Quando possível também o sacramento da Eucaristia mediante os ministros e sacerdotes.

É conhecido nos dias de hoje que a assistência espiritual ao enfermo  é fator diferencial na melhora de seus sintomas, assim como na sua recuperação, ou então para minimizar a dor do sofrimento. Das 125 faculdades de Medicina nos EUA, mais de 100 possuem disciplinas voltadas para a educação na área de espiritualidade para os seus alunos. Acreditam, como constatam  fundamental, que para  o médico é muito importante que tenha uma formação adequada nesta área. No Brasil, só recentemente algumas faculdades médicas estão tomando esta iniciativa, dentre as quais a UNIFESP, (antiga Escola Paulista de Medicina junto ao Hospital São Paulo).

Gostaria de deixar a sugestão a todos que apresentam condições para tanto, que possam colaborar nos serviços da Pastoral da Saúde, seja diretamente junto ao enfermo, seja na área administrativa para arrecadação de recursos.  É uma atitude que sempre se posicionou entre as preferidas pelo próprio Cristo, pelos Papas, e por todos que olham para os irmãos mais necessitados como o Bom Samaritano, São Camilo,  fez cuidando dos seus doentes. Que este grande Santo nos motive a participar deste trabalho, ou ao menos praticar a caridade de visitar aos doentes, sejam nossos parentes hospitalizados, ou na solidão de seus lares.

Até  o próximo mês.

Anúncios

Sobre vreginato

Casado e tem três filhos. Médico e Terapêuta de Família. Professor de Bioética, Históra da Medicina e Espiritualidade e Mediicna na Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), membro do Centro de História e Filosofia das Ciências da Saúde da Unifesp, Coordenador da Pastoral da Família da Paróquia Nossa Senhora do Brasil
Esse post foi publicado em Palavra da Igreja. Bookmark o link permanente.

3 respostas para São Camilo, o Bom Samaritano

  1. Luiz Coelho disse:

    Bom dia…

    Com certeza o auxílio aos mais necessitados ( enfermos, deficientes, etc ); sempre foi a maior e mais expressiva bandeira da caridade cristã !

    Vivemos em constante disputa ( profissional, pessoal, econômica, etc ) que cada minuto de nossas vidas “devem” ser voltados para um maior aproveitamento para que possamos manter ou aumentar a nossa bagagem sócio-cultural-econômica e nos mantermos atuantes no mercado de trabalho; mas será que sobra tempo para a caridade ?

    Desculpas não faltam para justificar a “escassez” do nosso tempo ( tema de um outro post ). Temos como certo determinadas “obrigações” que vemos cumprir em detrimento de outras que acabamos negligenciando.

    Dar ajuda financeira para as entidades assistenciais é fundamental, e com um simples telefonema ou o uso de minutos na internet, se resolve o problema. Podemos então, passar o resto do NOSSO tempo com os NOSSOS afazeres pessoais……O trabalho voluntário é algo muito mais nobre, pois dispomos de algo nosso que não poderá ser reposto como o dinheiro; que é o NOSSO TEMPO.

    Não precisamos ir tão “longe” ( hospitais, asilos, creches, orfanatos, etc ); muitas vezes nossos próprios amigos e familiares se encontram com algum problema pessoal que apenas desabafando conosco ou ouvindo nossos conselhos e sugestões; possam ficar com a mente menos conturbada e o coração mais cheio de esperança e fé !

    Sempre devemos ter as mãos e o coração abertos ; pois estaremos sempre preparados, a qualquer hora, para estendê-los a outros que precisem de nossa ajuda; como também poder erguê-los caso precisemos ser levantados.

    Abraço

  2. Lutfe disse:

    Valdir, Parabéns pelas palavras e trabalho. Dedicarei-me no sentido de visitar alguém necessitado e esse alguém, para começar, é minha avó que sofreu um AVC e está de cama. Minha tia e meu avô que cuidam dela e, de verdade, eles sentem falta de visitas e carinho. Irei lá semana que vem. Obrigado novamente pelas palavras, Lutfe

  3. Cristiane disse:

    Belo texto. A Pastoral da Saúde faz um trabalho incrível.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s