Olhai as árvores pelos frutos

Olá

Hoje vou falar de um tempo um tanto polêmico mas que tenho observado há algum tempo. Acompanhem abaixo 2 trechos da Bíblia. Um do evangelho de Mateus e outro do evangelho de Lucas:

Ou a árvore é boa, e o fruto, bom; ou a árvore é má, e o fruto, mau. É, portanto, pelo fruto que se conhece a árvore.” Mateus 12,33

Cada árvore se reconhece pelo seu fruto. Não se colhem figos de espinheiros, nem uvas de urtigas.” Lucas 6,44

E comum ouvirmos a seguinte frase por ai:

Ele e um excelente profissional. Nunca trabalhei com uma pessoa tão comprometida e preocupada com o futuro da sua equipe, pena que ele trai a esposa….

ou

Os filhos dizem que ela é uma ótima mãe, mas não entendo como ela pode tratar tao mau assim o funcionários dela…

(!!!) Frases como as acima são realmente comuns (eu já ouvi mtas vezes). Porém temos que refletir que uma pessoa não consegue ser boa e má dentro de si mesma, isso seria uma grande incoerência.  Se uma pessoa é um bom pai, consequentemente ele será um bom profissional… se uma mulher é uma ótima mãe ela consequentemente será uma grande líder…

E porquê estou dizendo isso ?

Não é de hoje que temos nos enganado (talvez pela imposição do senso comum) de que uma pessoa pode ser boa e ruim ao mesmo tempo. Isso não existe. Me lembro de uma revista que comprei em uma farmácia, para ajudar uma entidade assistencial, que falava do dia dos pais. Ela apresentava a capa com um senhor da terceira idade, sorrindo rodeado da família, apresentando-o como um grande pai de família. Ao começar a ler a reportagem, fiquei indignado. A história era de um homem que se casou, e teve seus filhos, logo depois começou a trair a esposa (o texto descreve este fato). Veio a separação e ele teve outra família. Depois de muitas (o texto não diz claramente mais deixa entender na entre linhas) brigas, este senhor conseguiu impor que as duas famílias (incluindo a ex e atual mulheres) se reunissem no mesmo teto, durante o Natal, pois ele “não queria” comemorar separado….

Traição ? Imposição ? Constrangimento ? Um bom pai ?

Não comprei mais a revista…

Boa semana a todos !

Anúncios

Sobre Marco

Marco é casado com Mariana e tem os pequenos Carol e Rafael. Ele é formado em Tecnologia da Informação, pós graduado em administração e trabalha há 14 anos no mercado corporativo de TI. Atua na Igreja Católica desde a adolescência, participando de grupo de jovens, ministérios de música e equipes de evangelização. Está na pastoral da familia da paróquia Nossa Senhora do Brasil desde 2007, atuando junto às familias e aos casais que buscam o matrimônio.
Esse post foi publicado em Familia&Trabalho. Bookmark o link permanente.

4 respostas para Olhai as árvores pelos frutos

  1. Luiz Coelho disse:

    Bom dia a todos !!

    Novamente parabenizo aos blogueiros do site sobre as boas matérias e a clareza em aprezentá-las; bem como da liberdade em dar espaço aos leitores de comentarem e enriquecerem os textos apresentados.

    Sobre o tema do dia, acredito estar havendo um erro, até comum, em analisamos as coisas de uma única ótica e generalizá-la para todos os casos.

    Se conhecesse a árvore pelo fruto; sabe-se que as árvores, que dão bons frutos; podem ser altas ou baixas, lisas ou espinhosas, com grandes copas ou não; assim como bons engenheiros podem não ser bons médicos e bons maridos podem não ser bons pais.

    Ninguém é ”bom” em todos os âmbitos da vida; temos, sem exceção, virtudes e defeitos; somos melhores em algumas coisas, mas piores em outras. Além do fator habilidade ( ao qual me referi ); temos o fator caráter e moralidade; e esses são TOTALMENTE subjetivos.

    Conheço relatos de pessoas que são bons pais e esposos, mas “saem em negócios” que acabam e locais pouco ortodóxicos; e dizem que isso não é trair a esposa, pois é “apenas físico” não envolve sentimento. Ou um “bom pais” que acha corretíssimo a educação pelo castigo físico em detrimento do diálogo; todos eles e muitos outros acreditam estar fazendo a coisa certa ( na visão deles é claro ).

    As pessoas fazem as coisas porque gostam ou porque são obrigadas; e as executam de forma boa ou ruim dependendo se seu preparo psicológico, físico e acadêmico. Tentar padronizar ou generalizas todas as condutas de uma mesma maneira é no mínimo uma visão simplista do espírito humano.

    Luiz

    • Marco disse:

      Ola Luiz

      Também agradeço sua audiência, além das inúmeras contribuições que vc faz ao site. Como já disse antes, o discurso aberto nos leva a meditação e aproximação à Deus, nosso principal objetivo.

      Na verdade, falamos no texto sobre caráter. Entendo o que vc diz sobre habilidade e concordo com isso. Mas não entendo que podemos ter mais de um caráter.
      No exemplo que vc dá sobre o bom pai mas que tem negócios duvidosos, não há garantias que ele também não fará isso com a família, uma vez que, para ele, este caminho é totalmente lícito.

      Não concordo na informação que caráter seja subjetivo. A palavra caráter expressa o “conjunto de valores que compõem um ser humano”. Ela é totalmente única de pessoa para pessoa mas é a expressão maior de cada ser humano.

      Agora sobre moralidade… Concordo plenamente com vc que moralidade pode ser subjetiva (pois existem muitas “classes” de moral) e aqui está todo o centro do post de hoje. Falo aqui de caráter baseado na moral Cristã/Católica, que no meu entender, é única.

      até !

  2. Valdir Reginato disse:

    Caríssimos Luiz e Marco

    Vou me permitir introduzir neste papo como mais uma via, de tantas outras que poderm ser avaliadas. Penso que a narrativa da parábola diz respeito a “COERÊNCIA” que deve existir na vida humana. Não se colhe uva de urtigas, porque não é esperado, e uma árvore má não pode dar frutos bons.

    A coerência é uma virtude que identifica a pessoa “simples”. Simples no sentido de ter somente uma cara, ou um carater, o que não quer dizer, como o Marco disse, habilidades. Evidentemente podemos ter um ótimo engenheiro técnico e um mau pai de família, mas não seria corente um bom pai de família que leva uma engenharia com “mutretas” para ganhar a vida.

    A coerência é uma via a se escolher na vida que conduz a Paz e a esperança de se alcançar um determinado objetivo. Se falamos de sentido de vida, e no sentido cristão, de se aproximar cada vez mais de Deus.

    A falta de coerência foi que matou o casal Ananias e Safira, quando mentiram a Pedfro dizendo que o valor que haviam vendido o campo para entregar a comunidade uma parte e ficar com a poutra. A falta de coerência é mentirosa. Como se lê nos Apocalipse, o que é morno, nem frio nem quente está para ser vomitado. É falta de coerência ser morno, indeciso, não atua pela vontade livre para o que acredita.

    Em fim, é no esforço pela coerência de vida que passamos a conhecer melhor quem é cada pessoa, e asim confiamos nos resultados. A falta de coerência sempre leva a dúvida, a falta de confiança. E onde não se tem confianaça, não pode haver Amor e consequentemente não estará Deus.

    Abraços

    Valdir

  3. Pingback: Vigiai e orai « Casa de Familia

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s