Qual remédio você toma ?

Nesta última sexta-feira, eu fui “atropelado” por um artigo, enviado por um colega de trabalho, sobre a nova febre do momento: tomar um ansiolítico conhecido, sem receita.

Lendo o texto, comecei a me assustar com o tema. Não porque estava lendo sobre pessoas doentes que foram a seus médicos e constatado a doença tiveram as receitas para iniciar um tratamento com este medicamento, buscando a cura de suas enfermidades. Nada disso. Até porque não haveria nada de errado neste caso.

O problema foi que o texto era escrito com o depoimento de pessoas saudáveis, como praticamente a maioria de nós. Que encontravam no remédio “alento e ajuda para enfrentar o dia-a-dia” (!!!!)

Dentre as pessoas que faziam parte da reportagem estavam: advogados, veterinárias, dentistas, DJs, incluindo até apresentadores de TV e cantores famosos… Todas estas pessoas não tinham nenhum sintoma ou passado por nenhum diagnóstico médico antes de ingerir estes remédios (controlados) e os compravam no mercado negro ou emprestavam de amigos.

Enquanto lia, ficava mais estarrecido …  A maioria destas pessoas toma este remédio de forma contínua, sem pensar em quando parar, (tinham pessoas que afirmavam tomar até mais de uma dose por dia) com o objetivo de ficarem felizes o dia todo… “pra quê ficar mal, se posso ficar bem o dia todo” disse outra pessoa. Um dos entrevistados também disse: “preciso de umas gotinhas todos os dias para poder enfrentar os problemas do meu trabalho. Não tem gente que enche a cara toda semana ? Eu tomo este remédio …” (!!!!)

Em uma das muitas conversas que tenho com o meu amigo Valdir – também colunista aqui do site, ele me disse:  “a sociedade atual trocou Deus Pai pela deusa ciência…“. A entrevista que citei acima é a prova cabal da afirmação desta frase. Em busca da modernidade, as pessoas abrem mão do conforto e apoio dados por Deus, dizendo que isso é coisa de velhos ou de pessoas pouco informadas … Mas entregam seus medos, ansiedades, preocupações à copos de bebidas alcoólicas ou por um vidro de remédio que sequer elas precisam … Tentando assim fugir do que não existe fuga.

Não é moderno e “cool” dizer que você reza todos os dias, participa da missa toda semana e se confessa com freqüência mas é “cult” dizer que você está viciado em um remédio controlado (e aqui faço uma pequena lembrança também àqueles que são viciados em “encher a cara” nas baladas..)  para poder enfrentar a rotina estressante …

Infelizmente a reportagem que li,  leva a seguinte conclusão: se as pessoas não se confortam em Cristo, só tomando estes ansiolítico mesmo…

boa semana a todos.

 

Anúncios

Sobre Marco

Marco é casado com Mariana e tem os pequenos Carol e Rafael. Ele é formado em Tecnologia da Informação, pós graduado em administração e trabalha há 14 anos no mercado corporativo de TI. Atua na Igreja Católica desde a adolescência, participando de grupo de jovens, ministérios de música e equipes de evangelização. Está na pastoral da familia da paróquia Nossa Senhora do Brasil desde 2007, atuando junto às familias e aos casais que buscam o matrimônio.
Esse post foi publicado em Familia&Trabalho. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para Qual remédio você toma ?

  1. Valdir Reginato disse:

    Caro Marco

    Talvez anime a você e seus leitores saber que há mais de 15 anos nos EUA (terra do tio Sam e da alta tecnologia), mais de 80% das faculdades de Medicina apresentam no curriculo uma disciplina de Espiritualidade. Descobriram que meditar, rezar, contar com o apoio nas suas crenças é uma forte ajuda para os pacientes. E os médicos devem estar preparados para isso.

    Aqui no Brasil estamos começando (um pouco maios tarde, como sempre). Em 2007 criamos a primeira disciplina no Estado de São Paulo, na Universidade Federal de São Paulo – UNIFESP, (antiga Escola Paulista de Medicina), e uma das primeiras no Brasil, com o título de Espiritualdiade e Medicina.

    Aliás, amanhã, terça-feira, exatamente, (peço suas orações), estaremos inicando a quarta edição do curso. Hoje ele é assistido por alunos de medicina e enfermagem. Quero dizer que nas quatro edições tivemos classe completa com trinta alunos (o que para uma disciplina opcional eletiva é um número fantástico!), graças a Deus.

    Assim, espero que num futuro breve, os ansiolíticos, (que são necessários quando corretamente empregados com orientação médica) fiquem para aqueles que realmente necessitem, mas não vamos esperar do comprimido o que ele não pode oferecer: a Felicidade. Esta a encontraremos em Deus.

    Abraços

    Valdir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s