Com quem andam nossos filhos?

“Más companhias corrompem bons costumes” (I Cor 15, 33). Este versículo da Primeira Carta de São Paulo aos Coríntios vem nos ensinar que é muito importante conhecermos os amigos de nossos filhos. Muitos pais fazem de tudo para educar bem seus filhos, transmitindo-lhes desde pequenos as normas do bom comportamento e da boa moral, investem no processo de sua formação escolar, religiosa e quando se deparam com a fase da adolescência, chegam a pensar que quase tudo foi em vão, pois os filhos assumem comportamentos diversos daqueles que lhe foram passados ao longo de toda a vida. O adolescente sempre tem necessidades de se auto-afirmar diante do grupo de convívio, principalmente no ambiente escolar. É a hora então que desvia sua conduta dos valores que recebeu no lar para poder conquistar seu espaço nesse ambiente. Não estamos, porém, insinuando que nossas crianças e adolescentes não tenham amigos nas escolas ou condomínios residenciais, nem que sejam colocados em redomas de vidro para não serem estragados pela má convivência com alguém. As Sagradas Escrituras também nos revelam, através do Evangelho de São João, na oração sacerdotal de Jesus, que não precisamos retirar do mundo nossos filhos, mas confiá-los em oração a Deus para que sejam preservados do mal (Jo17, 15). Assim sendo, fora do extremo de não conhecer as companhias de nossos filhos como também do de querer superprotegê-los, vamos caminhando nesse processo contínuo de educá-los e amá-los. São muitos os testemunhos de famílias bem estruturadas, que sempre fizeram de tudo para a boa formação de seus filhos, e que se deparam com sérios problemas comportamentais dos mesmos. E a causa destes desvios está na maioria das vezes ligada com a influência que o jovem ou adolescente sofre do grupo de amigos. É preciso muito diálogo com os filhos nesta etapa da vida em que começam a ter seus grupos de convívio, ajudando-os a se conhecerem e saberem o que desejam para suas vidas, independentemente do que pensem seus amigos. Precisam se sentir amados e valorizados do que jeito que são. Mesmo nos casos em que se percebe alguma companhia meio imprópria, não se deve precipitar em críticas constantes que inviabilizem a sã convivência familiar, ainda mais se tal companhia for um namorado (a). Manter a calma e buscar alternativas para momentos de conquista de ambos pode ser a melhor solução em muitos casos, tentando resgatar estes jovens de seus desvios de personalidade ou de comportamento. Este processo de conquista é gradativo e não será bem sucedido se não houver tempo de convivência, seja num passeio de fim de semana, seja numa prática esportiva ou noutra que se inspire em cada situação. Assim estaremos conhecendo os amigos de nossos filhos, nos tornando também seus amigos e auxiliando-os para não caírem nas tentações de uma sociedade que não reconhece mais os autênticos valores da boa moral. O importante é não desistirmos nunca de amar nossos filhos, mesmo nos momentos de suas crises de identidade.

Anúncios
Esse post foi publicado em Pais+Filhos. Bookmark o link permanente.

3 respostas para Com quem andam nossos filhos?

  1. Luiz Coelho disse:

    Quantas vezes nos afastamos da presença de Deus? Não oramos mais com afinco que orávamos, não lemos nem meditamos mais a Palavra, nos afastamos da convivência DIÁRIA com o Senhor e acabamos perdendo a direção que nos ajuda, nos edifica e nos abençoa. Todos nós, de uma forma ou de outra, temos problemas de determinada natureza! Quantas vezes nos irritamos sem motivos, nos desanimamos apáticos aos problemas, na esperança de que eles voltem de onde vieram como que num passe de mágica ?

    Os controntos, mais diretamente ao tema, com nossos filhos, eventualmente irão acontecer dentro da nossa casa…. podemos não compreender bem como, quando e muito menos o porquê daquele “desentendimento” ter se instalado em nossas vidas ou na vida de pessoas que estão diariamente ao nosso redor. Quando não vigiamos somos pegos de surpresa, devemos estar atentos a qualquer situação seja ela boa ou não tão boa… (Vigiai, pois, porque não sabeis a que hora há de vir o vosso Senhor – Matheus 24).

    Os pais não devem tolher a índole dos filhos, mas tentar ajustá-la a uma sociedade de compreensão, de sapiência, e de verdadeiro amor em todos os sentidos, onde a transformação está dentro de cada um. Mesmo os pais fazendo o que acreditam estar certo, os filhos podem ( esperemos que isso NUNCA aconteça ) se desviar do caminho da retidão e do amor; porém como na parábola do filho pródigo (Lucas 15:11-32); devemos SEMPRE, acolher TODOS aqueles que se arrependeram e reencontraram seu caminho de forma constutiva e edificante.

    Gosto muito de uma frase que meus pais diziam e que pretendo aplicar ao meu filho : “Quem leva seus filhos na igreja, dificilmente irão, algum dia, buscá-los em uma Delegacia” , ou seja…..Ensinando sempre seus filhos, com exemplos concretos e palavras, a maneira cristã de viver a vida ( sem parafrasear o nome da novela das 8hs); será muito difícil que eles saíam deste caminho e procurem outro, que muitas vezes os levem ao arrependimento, a frustação, ou a consequências piores.

    Abraço a todos
    Luiz Coelho

  2. Cristiane disse:

    Nessas horas, tambem temos a ajuda dos anjos da guarda…
    Podemos (e devemos) pedir aos anjos de nossos filhos que providenciem bons amigos para eles.

    Obrigada pela reflexão.

    beijo,
    Cris

  3. Valdir Reginato disse:

    Heraldo

    Mais uma grande reflexão. Para os pais com filhos adolescentes ou mesmo ainda menores, este é um grande alerta. Os pais não podem se acomodar ou desanimar, mas sim estar sempre presentes. Nesta idade os radares devem estar ligados 24 horas por dia pois as mudanças são muito rápidas e podem ser bruscas.

    Gostei da frase do Luiz Coelho, ou de seu pai: ” Quem leva os filhos a Igreja, dificilmente um dia terá que buscá-los na delegacia.”
    Ela lembra a frase de um filósofo, Pitágoras:

    “É necessário educar as crianças para não ter que punir os homens”.

    E nesta educação é fundamental a graça de Deus, e a esperança de que toda família conta com o auxílio permanente da Sagrada Família.

    Valdir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s